quinta-feira, 30 de junho de 2011

Mundial Sub-17: Japão goleia a Nova Zelândia e pega o Brasil nas quartas de final

Hideki Ishige fez dois gols e foi um dos destaques do Japão / Getty Images

O Japão foi um dos destaques da primeira fase da Copa do Mundo Sub-17, realizada no México. Os Jovens Samurais foram de longe a melhor seleção do grupo que tinha Jamaica, França e Argentina e se classificaram em primeiro lugar. O time do técnico Hirofumi Yoshitake chegou a ser comparado com o Barcelona (a exemplo da seleção feminina e também da seleção principal, que já foi chamada de "Barcelona da Ásia"), pelo seu estilo de jogo que prioriza a posse de bola e os toques curtos, dominando o jogo e envolvendo o adversário.

Apesar das comparações com o Barcelona, não existe um "Messi" nesse time do Japão. Antes do Mundial, esperava-se muito do atacante Takumi Minamino, mas ele foi titular em apenas uma partida e, apesar de alguns bons momentos, não se firmou como a referência no ataque. O destaque do time é o coletivo e o elenco. Não só pelo entrosamento, quanto também por ter vários jogadores versáteis que atuam em mais de uma posição. Não existem onze titulares definidos (especialmente do meio pra frente) e pelo menos 15 jogadores mostraram-se bons o bastante para começar jogando. A partida contra a Nova Zelândia pelas oitavas de final foi o melhor exemplo do bom futebol que esse time é capaz de jogar.

Oitavas de Final - Japão 6x0 Nova Zelândia
29/06/2011 - Estádio Universitário, Monterrey

Mais uma escalação cheia de mudanças no Japão: Takuya Kida foi o 
volante, enquanto Masaya Matsumoto começou como centroavante

Com mais uma escalação diferente - possivelmente poupando o volante Kazuki Fukai, que já tinha amarelo -, o Japão entrou em campo com boas possibilidades contra a Nova Zelândia, que se classificou como o melhor terceiro colocado depois de um inusitado sorteio: os neozelandeses empataram em todos os critérios com os Estados Unidos, que tiveram a "sorte" de passar em segundo lugar.

A seleção da Oceania prometia dificultar a vida do Japão depois de uma campanha na primeira fase que teve uma derrota para a República Tcheca (1x0), um empate com os Estados Unidos (0x0) e uma vitória contra o Uzbequistão (4x1), que foi o primeiro colocado do grupo e mais uma seleção que surpreendeu e está entre as melhores do torneio - apesar de terem perdido para a Nova Zelândia, os uzbeques fizeram ótimas partidas na sequência e já estão nas quartas de final depois de um convincente 4x0 contra a Austrália, time que deu trabalho ao Brasil.

O Japão dominou seu adversário do início ao fim em uma exibição perfeita. Apesar da partida ter começado devagar, tudo mudou quando Ishige trocou de posição com Akino e, na ponta direita do ataque, roubou a bola e cruzou muito fechado; a bola encobriu o goleiro, bateu na segunda trave e entrou: 1x0. Apenas 2 minutos depois, Mochizuki fez um lançamento preciso para Hayakawa que, dentro da área, foi à linha de fundo e cruzou rasteiro para Ishige, que só tinha o gol livre à sua frente: 2x0.

O Japão pressionava e não demorou a sair o terceiro, mais uma vez com participação de Ishige, que recebeu passe de Matsumoto, invadiu a área em diagonal, limpou o zagueiro e tentou o chute, que foi bloqueado; a bola sobrou para Hayakawa que, na pequena área, não teve dificuldades em concluir. Ainda deu tempo de fazer mais um antes do intervalo: Hayakawa recebeu na grande área pelo lado esquerdo e deu só um toquinho de lado para Mochizuki, que passava em velocidade; ele cruzou para a pequena área, a bola passou pelo goleiro, Kip Colvey tentou dominar mas a bola bateu em seu pé de apoio e acabou indo pra dentro do próprio gol: 4x0.

No segundo tempo, Minamino, que tinha entrado no lugar do pendurado Mochizuki, finalmente marcou seu primeiro gol no Mundial: ele só teve que empurrar a bola para o gol vazio depois da assistência de Muroya. Em mais uma jogada rápida e bem trabalhada, Akino deixou Hayakawa na cara do gol; ele finalizou bem e fechou a goleada: 6x0. As estatísticas do jogo mostram o tamanho do domínio: além de 60% de posse de bola, foram 26 tentativas de chute a gol do Japão contra apenas 4 da Nova Zelândia.

Nas quartas de final tem Japão x Brasil, promessa de um grande jogo sem favorito. A partida será neste domingo, dia 3 de julho, às 20:00 (horário de Brasília). O Brasil não poderá contar com Lucas Piazon e Nathan, suspensos, enquanto o Japão deve vir com força total.

domingo, 26 de junho de 2011

Gamba Osaka 5x3 Sanfrecce Hiroshima: Chuva de gols em Osaka

Endo mais uma vez foi decisivo para o Gamba / Sanspo.com

Inicialmente, a 18ª rodada da J-League seria a última antes da pausa para a Copa América. Porém, depois dos jogos adiados da 2ª até a 6ª rodada e da desistência do Japão no torneio sul-americano, o campeonato vai continuar a todo vapor com os jogos que foram adiados.

Gamba Osaka e Sanfrecce Hiroshima são times ofensivos que costumam proporcionar boas partidas. No primeiro encontro entre os dois este ano, o Sanf conseguiu uma incrível vitória por 4x1 na sétima rodada. No duelo de hoje, o Gamba devolveu a derrota que havia sofrido em uma partida ainda mais incrível, com oito gols.

Gamba no tradicional 4-4-2 e Sanfrecce no exótico 3-6-1

Com apenas 2 minutos de jogo, Yasuhito Endo cobrou uma falta com perfeição na cabeça do zagueiro Sota Nakazawa, que apareceu sem marcação e fez de cabeça: 1x0. Além da assistência, Endo também marcou o seu, com categoria: aos 34 minutos, ele recebeu pelo lado esquerdo do ataque, deu um corte pra dentro e chutou de perna direita, alto no canto esquerdo do goleiro. Um golaço e 2x0 no placar.

O Hiroshima quase descontou logo em seguida com um voleio de Koji Nakajima que acertou o travessão. Seu xará, Koji Morisaki, foi mais preciso. Aos 47 do primeiro tempo, quando a defesa do Gamba já devia estar pensando no intervalo, bastou uma jogada rápida no ataque para deixar o camisa 7 na cara do gol; ele chutou rasteiro no canto de Fujigaya e diminuiu: 2x1.

O segundo tempo foi um verdadeiro bombardeio dos dois lados. Ryota Moriwaki apareceu livre na área e quase marcou de cabeça, mas a bola foi pra fora. Quem teve mais sorte foi Shoki Hirai (que vem fazendo um bom trabalho substituindo Adriano): depois de receber na área de Lee Keun-Ho e chutar cruzado, a bola desviou de leve no zagueiro que deu um carrinho para tentar cortar e matou Nishikawa, ampliando a vantagem: 3x1.

O técnico Mihailo Petrovic resolveu fazer mudanças drásticas em busca de pelo menos um empate e trocou três jogadores de uma vez: saíram Hattori, Yamagishi e Takahagi para as entradas de Ishikawa, Aoyama e Mujiri. O Sanfrecce até conseguiu diminuir para 3x2 com Nakajima, de cabeça, depois de uma cobrança de escanteio, mas pouco depois Hayato Sasaki fez o quarto do Gamba num chute de longe, que parecia defensável, mas Nishikawa foi enganado pelo quique da bola, que entrou no cantinho.

Mesmo vencendo por dois gols, o Gamba foi pra cima e continuou pressionando: Kim Seung-Yong pegou um rebote de fora da área e mandou pro gol; Nishikawa rebateu e a bola sobrou na cabeça de Kazumichi Takagi, que não desperdiçou: 5x2. O Hiroshima diminuiu mais uma vez com o georgiano David Mujiri, que chutou forte de fora da área e acertou o canto direito, mas não deu tempo de mais nada; a partida acabou 5x3.

O Gamba tem agora três vitórias seguidas e subiu para o 5º lugar. Com dois jogos a menos, eles ainda podem alcançar a liderança se vencerem as partidas adiadas. Apesar de ser o time com o melhor ataque (26 gols, empatado com Kashiwa Reysol e Kawasaki Frontale), os 22 gols sofridos fazem do Gamba a terceira pior defesa da J-League. O time de Osaka vai a Saitama na próxima rodada enfrentar o Urawa, que luta para sair das últimas posições.

O Sanfrecce tinha a melhor defesa da liga, mas os nove gols sofridos nos últimos três jogos mostraram que seu setor defensivo não é assim tão confiável. O time caiu do 4º para o 6º lugar e precisa melhorar o desempenho fora de casa para se manter entre os primeiros. O próximo adversário é o Omiya Ardija, também em Saitama, que ainda não venceu nesta temporada em seu estádio. Pode ser a oportunidade ideal para o Hiroshima se recuperar.

sábado, 25 de junho de 2011

Mundial Sub-17: Japão fica em primeiro lugar no grupo com Argentina, França e Jamaica

Os Jovens Samurais na partida contra a França / Getty Images

Em uma Copa do Mundo de categorias de base, é muito difícil fazer previsões ou apontar quem de fato vai se dar bem como profissional, devido à inconsistência de jogadores tão jovens. Porém, não deixa de ser interessante acompanhar o desenvolvimento desses atletas na tentativa de descobrir quais deles podem ser futuras estrelas de seus países. O Japão estreou no Mundial sub-17 do México de forma cautelosa, com o objetivo de conquistar uma vaguinha num grupo aparentemente complicado, com Argentina, França e Jamaica. Para a surpresa de muitos, os Jovens Samurais não só conseguiram a classificação, como também foram os melhores do grupo e uma das seleções que mais impressionou na primeira fase do Mundial. Com um toque de bola envolvente, disciplina tática e uma mentalidade de dar inveja até aos senpai das seleções olímpica e principal, o Japão é um dos destaques do torneio e tem potencial para ir longe.

Japão 1x0 Jamaica
18/06/2011 - Monterrey

O técnico Hirofumi Yoshitake arma o Japão num 4-3-3; Mochizuki começou como o único 
meia defensivo, com Nozawa e Ishige à sua frente armando o jogo, enquanto Hayakawa e 
Ryuga Suzuki, pelas pontas, tentavam criar as jogadas para o centroavante Nakajima.

A primeira partida, como é normal em estreias, foi nervosa. O jogo estava equilibrado e a Jamaica foi quem mais assustou no primeiro tempo, com um chute de longa distância que acertou a trave. Aos 16 minutos do segundo tempo saiu o gol japonês, com Masaya Matsumoto, que tinha acabado de entrar no lugar de Shoya Nakajima. O atacante trocou pesses com o lateral Sei Muroya e, na cara do gol, não desperdiçou.

O Japão ainda teve algumas chances de fazer o segundo, principalmente com o atacante Musashi Suzuki, mestiço de japonês com jamaicano, mas ele não conseguiu marcar contra seus "compatriotas". A Jamaica não conseguiu reagir e praticamente não ameaçou o gol de Kosuke Nakamura. Em uma partida com poucas chances de gol, o Japão dominou a posse de bola (61%) e controlou o jogo, mas não impressionou. Nas próximas partidas é que eles deveriam mostrar a que vieram.

Japão 1x1 França
21/06/2011 - Monterrey

O Japão com quatro alterações na segunda partida - Kawaguchi entrou na lateral direita e 
Muroya foi deslocado para a esquerda; Fukai foi o volante de contenção, deslocando Mochizuki 
para a meia direita e Ishige para a ponta direita; Kida atuou na meia esquerda e Musashi Suzuki 
começou como centroavante, apesar de ter se deslocado para as pontas no decorrer do jogo.

A França vinha com moral depois de vencer a Argentina por 3x0, e se impôs fisicamente desde o início. O primeiro gol saiu aos 23 minutos, com um chutaço de fora da área de Abdallah Yaisien, que foi quase no ângulo; o goleiro Nakamura nem chegou perto de defender. Os Bleus começaram bem, mas pararam depois do gol. O Japão foi melhorando e, mesmo com o placar desfavorável, tocava a bola com calma. No segundo tempo, os Samurais Azuis vieram dispostos a empatar e conseguiram logo aos 3 minutos, quando Ishige foi derrubado na área e o árbitro marcou pênalti. O próprio Ishige cobrou e deixou tudo igual: 1x1.

A França não resistiu ao calor mexicano e sucumbiu ao cansaço. O Japão foi melhor em toda a segunda etapa, dominou a posse de bola (62%) e criou várias jogadas de gol, mas perdeu chances incriveis na hora de finalizar. Os japoneses tocavam a bola do jeito que queriam, enquanto os franceses, exaustos, nada podiam fazer. Porém, nos últimos minutos, os nipônicos preferiram administrar a vantagem do que partir pro ataque e tentar a virada. Se jogassem com mais ousadia no final, a virada parecia certa. A França saiu no lucro com o empate.

Japão 3x1 Argentina
24/06/2011 -  Morelia

Na terceira partida, sete mudanças (algumas para poupar jogadores com cartão amarelo), 
mas ainda assim o Japão dominou a Argentina e não teve dificuldades em vencer

O Japão já veio como favorito para a última partida da fase de grupos, depois da excelente exibição contra a França, enquanto o Argentina sofreu uma derrota vexaminosa na estreia e passou sufuco para vencer a Jamaica em seguida. Os Jovens Samurais começaram com tudo e fizeram 1x0 logo aos 3 minutos de jogo. A falta de ousadia dos laterais vinha chamando a atenção nas partidas anteriores, mas o primeiro gol contra os hermanos veio justamente numa grande jogada do lateral Naoki Kawaguchi, que recebeu a bola pela direita, driblou seu marcador e chutou pro gol, meio sem força, mas o goleiro deu rebote nos pés de Daisuke Takagi, que só empurrou para o gol. Aos 19 minutos, Hiroki Akino cobrou escanteio e o zagueiro Naomichi Ueda fez de cabeça: 2x0.

No segundo tempo, tudo estava decidido quando Matias Montero recebeu cartão vermelho direto depois de um pisão na perna de um adversário caído e, pouco depois, em uma rápida cobrança de lateral, Musashi Suzuki recebeu a bola sem marcação na ponta esquerda e cruzou na área para Akino, que chutou de primeira; mais uma vez o arqueiro argentino não conseguiu segurar um chute que foi fraco e em cima dele e deixou o rebote nos pés de Akino, que não perdeu a chance de fazer 3x0.

Devido à chuva que caía em Morelia, o Japão não conseguia trocar passes com facilidade como nas partidas anteriores (teve "apenas" 50% de posse de bola), mas ainda assim era muito superior e por pouco não fez o quarto gol. Para não ficar tão feio para os argentinos, Brian Ferreira fez um golaço do meio campo que encobriu o adiantado Niekawa, definindo o placar final: 3x1.

Como a França empatou com a Jamaica (1x1) na outra partida, o Japão se classificou em primeiro lugar no Grupo B, e espera seu adversário das oitavas de final entre um dos melhores terceiros colocados. Enquanto isso, a Argentina também se garantiu na segunda fase graças aos outros resultados: na pior das hipóteses, os hermanos passam como o quarto melhor 3º colocado.



quinta-feira, 23 de junho de 2011

Pré-Olímpico: Japão passa pelo Kuwait e se classifica para a próxima fase

O técnico Takashi Sekizuka e a seleção olímpica / Foto: Ryoichi Morimoto

Na disputa por uma das três vagas da Ásia nas Olimpíadas de Londres em 2012, a seleção japonesa começou sua participação no Pré-Olímpico enfrentando o Kuwait em duas partidas eliminatórias. Apesar de se mostrar superior durante os dois confrontos, a classificação não foi fácil, com um placar agreagado de 4x3.

Japão 3x1 Kuwait
19/06/2011 - Toyota Stadium, Nagoya

No jogo de ida, o Japão venceu por um bom placar, que poderia ter sido ainda maior, não fosse por inúmeras chances perdidas. A seleção teve o desfalque do atacante do Nagoya Grampus, Kensuke Nagai, que torceu o tornozelo no treino. Em seu lugar entrou Yuya Osako, do Kashima Antlers.

Os Samurais Azuis não tiveram dificuldades no início: aos 18 minutos, Yusuke Higa foi à linha de fundo e cruzou no meio da área para Hiroshi Kiyotake, que mergulhou para marcar de cabeça: 1x0. O zagueiro Mizuki Hamada ampliou, também de cabeça, no escanteio cobrado por Kiyotake: 2x0. No segundo tempo, Osako fez 3x0 depois de receber um passe de Ryohei Yamazaki.

Parecia que a classificação já estaria decidida na primeira partida, mas as coisas começaram a complicar quando Hiroki Sakai perdeu a bola no campo de defesa e o Kuwait aproveitou: depois que a defesa cortou um cruzamento, Al Mutairi pegou o rebote dentro da área e chutou com força pra diminuir: 3x1. Foi um erro defensivo que permitiu o gol de honra dos kuwaitianos e, a partir daí, mesmo vencendo por dois gols e jogando em casa, os japoneses passaram a jogar desesperados, dando chutões na defesa quando poderiam simplesmente tocar a bola com calma e administrar a vantagem. Essa mentalidade frágil pode se tornar um grande problema no futuro. O destaque positivo do segundo tempo foi Genki Haraguchi, que saiu do banco de reservas e quase marcou o seu: acertou um chute na trave e por pouco não fez um golaço depois de driblar três adversários: seu chute foi desviado no último instante e passou por cima do gol.


Kuwait 2x1 Japão
23/06/2011 - Mohammed Al Hamad Stadium, Hawalli

Como jogou o Japão na segunda partida: Sekizuka arma o time no 4-2-3-1; a 
única mudança com relação ao jogo de ida foi a entrada de Nagai no lugar de Osako

O jogo de volta foi mais equilibrado. O Kuwait abusava das faltas e entradas mais violentas no início, enquanto o Japão não conseguia se organizar. Apesar disso, o primeiro gol saiu aos 20 minutos, quando Sakai recebeu um lançamento em velocidade, ganhou na corrida do zagueiro e deu um toque por cobertura no goleiro: um bonito gol e 1x0 no placar.

O Kuwait precisava de pelo menos três gols para forçar uma prorrogação, e voltou disposto a atacar no segundo tempo. Logo nos primeiros minutos, veio o empate em um cruzamento na área que a defesa não conseguiu afastar; a bola sobrou dentro da área com Hamad Aman, que teve tempo de dominar, girar e bater de voleio, com força no alto do gol, sem chance para Gonda: 1x1. Aos 12 minutos veio a virada, num pênalti de Daisuke Suzuki em cima de Al Salman. O próprio Al Salman cobrou e fez 2x1.

O jogo ficou nervoso a partir daí, pois só mais um gol do Kuwait levava a partida para a prorrogação, enquanto o Japão se defendia da forma que podia. Apesar disso, foi o Japão quem teve as melhores chances de definir o resultado, mas Kiyotake e Higashi pecaram na finalização. O Kuwait parecia não ter mais forças para buscar o gol que precisava e, apesar da tensão até o último minuto, o placar não se alterou mais.

Com isso, o Japão está classificado para a próxima fase do Pré-Olímpico, que funciona da seguinte forma: os 12 países classificados serão divididos em 3 grupos com 4 times em cada um. Depois de seis rodadas, o campeão de cada grupo estará classificado para as Olimpíadas de Londres. Os três segundos colocados disputam um playoff até sobrar apenas um, que vai decidir uma vaga com um representante da África. O sorteio dos grupos será dia 7 de julho.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Vissel Kobe 0x1 Kashima Antlers: Kobe descendo, Kashima subindo

 
Tashiro fez o gol da vitória do Kashima / J.League Photos

A 17ª rodada da J-League deveria marcar a metade do campeonato mas, devido à tragédia de 11 de março e os jogos adiados logo em seguida, é na prática apenas a 12ª. Apesar de ter sido uma rodada cheia de gols, Vissel Kobe e Kashima Antlers fizeram uma partida com apenas um, mas que não deixou de ter seus pontos interessantes.

O Vissel Kobe é um dos times mais imprevisíveis da liga. Ano passado o rebaixamento parecia certo, mas eles conseguiram a combinação de resultados que precisavam e se salvaram na última rodada. Este ano, a previsão era de mais uma vez brigar apenas para não cair. Porém, o time conseguiu alguns bons resultados no início e chegou a ocupar o 5º lugar. É incrível que o mesmo time que goleou o Shimizu S-Pulse por 5x1 fora de casa não conseguiu ganhar em casa do Avispa Fukuoka, o lanterna que perdeu todos os outros jogos na temporada. O Kobe vem agora numa sequência de cinco jogos sem vitória e começa a cair na tabela.

Já o Kashima Antlers busca a recuperação depois de um início ruim e uma eliminação nas oitavas de final da Liga dos Campeões da Ásia, para o sul-coreano Seoul FC. O time do técnico Oswaldo de Oliveira vinha frequentando a zona de rebaixamento, uma posição bastante incômoda apesar de ter dois jogos a menos que a maioria dos outros adversários. Agora com a segunda vitória seguida, o Kashima vai reencontrando seu futebol e começa a subir na tabela.

A formação inicial das equipes

O jogo começou com grandes chances para os principais atacantes dos dois times. Primeiro foi Koroki, que recebeu livre na frente dos zagueiros e chutou da entrada da área; sem direção, a bola foi pra fora, à direita do goleiro. Depois foi Okubo que poderia ter marcado ao receber um cruzamento da esquerda de Ogawa, mas ele errou a cabeçada por centímetros e a bola passou na frente da área sem que ninguém alcançasse.

Depois disso só deu Kashima, que dominou a posse de bola e criou várias chances. O goleiro Tokushige vinha salvando o Vissel - ele fez uma defesa incrível num chute de Koroki que ainda sofeu um leve desvio do zagueiro -, mas nada pode fazer quando Endo roubou a bola do lateral Kondo, ganhou na velocidade do zagueiro e cruzou para Tashiro; apesar do defensor ter alcançado a bola pra fazer o corte, ela bateu em Tashiro e foi na direção do gol, encobrindo Tokushige. Um pouco de sorte para o Antlers no lance, mas que premiou o time que jogava melhor.

O time da casa voltou disposto a empatar no segundo tempo mas, depois de uma pressão inicial, o Kashima voltou a dominar. Koroki não estava com sorte mesmo: quando ele pegou de primeira dentro da grande área e acertou um chutaço no ângulo, o árbitro marcou impedimento e não validou o gol. Em outro lance, ele recebeu de Tashiro em condição legal, só ele e o goleiro, mas o camisa 13 isolou e mandou longe.

Com o resultado, o Vissel Kobe caiu mais uma posição, de 10º para 11º, enquanto o Kashima Antlers subiu de 13º para 12º.

Todos os resultados da 17ª rodada:

Vegalta Sendai 4x0 Ventforet Kofu
22/06/2011 - Yurtec Stadium, Sendai - Público: 11.356
19' Yong-Gi
36' Watanabe
69' Akamine
75' Nakashima

Urawa Red Diamonds 3x0 Avispa Fukuoka
22/06/2011 - Saitama Stadium 2002, Saitama - Público: 20.240
53' K. Suzuki
73' Marcio Richardes
90'+1 Edmilson

Kashiwa Reysol 2x4 Gamba Osaka
22/06/2011 - Hitachi Kashiwa Soccer Stadium, Kashiwa - Público: 9.882
10' J. Tanaka [1x0]
13' Endo [1x1]
51' Hirai [1x2]
62' Lee Keun-Ho [1x3]
67' Leandro Domingues [2x3]
80' Shimohira [2x4]

Shimizu S-Pulse 2x3 Kawasaki Frontale
22/06/2011 - Outsourcing Stadium Nihondaira, Shizuoka - Público: 12.217
4' Inamoto [0x1]
13' Yamase [0x2]
20' Alex Brosque [1x2]
44' S. Ono [2x2]
81' Kobayashi [2x3]

Júbilo Iwata 1x2 Omiya Ardija
22/06/2011 - Yamaha Stadium, Iwata - Público: 6.386
1' Maeda [1x0]
15' Murakami [1x1]
90'+5 Kanakubo [1x2]

Cerezo Osaka 2x3 Nagoya Grampus
22/06/2011 - Kincho Stadium, Osaka - Público: 7.875
14' Isomura [0x1]
43' Rodrigo Pimpão [1x1]
44' Tamada [1x2]
73' Kennedy [1x3]
90'+1 Inui [2x3]

Vissel Kobe 0x1 Kashima Antlers
22/06/2011 - Home's Stadium, Kobe - Público: 9.705
37' Tashiro

Sanfrecce Hiroshima 3x2 Montedio Yamagata
22/06/2011 - Hiroshima Big Arc, Hiroshima - Público: 7.593
27' Sato [1x0]
33' Okubo [1x1]
43' Lee [2x1]
72' Ota [2x2]
80' Morisaki [3x2]

Yokohama Marinos 1x0 Albirex Niigata
22/06/2011 - NHK Spring Mitsuzawa Football Stadium, Yokohama - Público: 8.019
31' Hyodo

Pos. Time Pontos  J   V   E   D   GP   GC   SG 
Kashiwa Reysol 25  12   8   1   3   22   11   11
Vegalta Sendai 24  12   6  6  0   18   9   9
Kawasaki Frontale 23  12   7  2  3   24   15   9
Sanfrecce Hiroshima 22  12   6  4  2   16   11   5
Yokohama F. Marinos 21  12   6  3  3   20   12   8
Nagoya Grampus 19  11   5  4  2   20   14   6
Gamba Osaka 19  10   6  1  3   21   19   2
Omiya Ardija 17  12   4  5  3   14   19   -5
Júbilo Iwata 16  12   4  4  4   18   12   6
10º Shimizu S-Pulse 16  12   4  4  4   17   19   -2
11º Vissel Kobe 15  12   4  3  5   10   11   -1
12º Kashima Antlers 14  10   4  2  4   15   15   0
13º Cerezo Osaka 11  11   2  5  4   14   13   1
14º Urawa Red Diamonds 11  12   2  5  5   14   16   -2
15º Albirex Niigata 11  12   2  5  5   9   15   -6
16º Ventforet Kofu 11  12   2  5  5   11   20   -9
17º Montedio Yamagata 8  12   2  2  8   10   20   -10
18º Avispa Fukuoka 1  12   0  1  11   8   30   -22

sábado, 18 de junho de 2011

Gamba Osaka 2x1 Yokohama Marinos: Endo garante a vitória para o Gamba

O zagueiro Yamaguchi (5) fez de cabeça um dos gols / J.League Photos

O Gamba Osaka, atual vice-campeão da J-league, passa por momentos de incerteza na temporada, depois de ser eliminado da Liga dos Campeões da Ásia nas oitavas de final pelo rival Cerezo e ter uma sequência de quatro jogos sem vitória. Além disso, é praticamente certa a saída para a Europa de Takashi Usami, a estrela jovem do time, enquanto Adriano, artilheiro da liga, acabou de ser vendido ao Lekhwiya, atual campeão do Qatar, por 5 milhões de dólares.

Enquanto isso, o Yokohama Marinos, depois de um bom início de temporada, vem passando por altos e baixos na tentativa de se manter entre os três primeiros na tabela. Depois de vencer o Cerezo no meio de semana, a expectativa da torcida era voltar pra casa levando seis pontos de Osaka.

 
As duas equipes com variações do 4-4-2: o Gamba com dois volantes e os  
meias abertos pelos lados e o Marinos com um meio-campo em diamante

Já sem Adriano, o técnico Akira Nishino escalou Shoki Hirai no ataque, com Usami ao seu lado. Endo esteve mais adiantado, como meia esquerdo, enquanto Myojin e Takei fizeram a dupla de volantes. Já o time visitante teve o desfalque de seu principal jogador, o meia Shunsuke Nakamura, que se machucou na véspera da partida e, sem totais condições de jogo, ficou apenas no banco.

Jogando em seu estádio, o Gamba não demorou a abrir o placar com o mestre das bolas paradas. Aos 9 minutos, Endo cobrou falta pelo lado esquerdo. Parecia que era só um cruzamento na área, mas a bola acabou entrando direto - o goleiro Iikura deu um passo pra frente na hora da cobrança, esperando um cruzamento, o que foi fatal pra ele. Usami quase ampliou em seguida, mas seu chute acertou a trave. O time da casa continuou no ataque e fez 2x0 aos 26 minutos, em mais um lance de bola parada com Endo, que cobrou escanteio no primeiro pau para o zagueiro Yamaguchi marcar de cabeça.

O Marinos teve a chance de descontar em uma falta na entrada da área. Kano acertou o travessão do goleiro Fujigaya, que ficou só olhando. No segundo tempo, o técnico Kazushi Kimura tirou Oguro para colocar o sul-coreano de 1,93 m Kim Kun-Hoan - que tem jogado como atacante apesar de ser zagueiro, por sua presença física e capacidade de ganhar disputas no jogo aéreo - e também colocou Watanabe no lugar de Ono.

Apesar de mais ofensivo, foi só aos 42 minutos que o tricolor de Yokohama marcou, em um lançamento de Kurihara onde a bola ficou com Taniguchi na linha de fundo; ele cruzou na pequena área onde estava Kim Kun-Hoan, que não desperdiçou: 2x1. Porém, não deu tempo pra mais nada e o Gamba comemorou sua primeira vitória nos últimos cinco jogos.

Com o resultado, o Marinos caiu do 4º para o 5º lugar, enquanto o Gamba subiu do 9º para o 8º, ainda com dois jogos a menos que a maioria das equipes.

Melhores momentos

Todos os resultados da 16ª rodada:

Urawa Reds 1x3 Shimizu S-Pulse
18/06/2011 - Saitama Stadium 2002, Saitama - Público: 31.921
24' Bosnar [0x1]
64' Takahara [0x2]
80' Umesaki [1x2] 
86' Bosnar [1x3] 

Gamba Osaka 2x1 Yokohama Marinos
18/06/2011 - Expo '70 Stadium, Osaka - Público: 18.001
9' Endo [1x0]
26' Yamaguchi [2x0]
87' Kim Kun-Hoan [2x1]


Ventforet Kofu 0x2 Cerezo Osaka
18/06/2011 - Kose Sports Stadium, Kofu - Público: 8.402
85' Komatsu
90'+4 Bando


Montedio Yamagata 2x0 Vissel Kobe
18/06/2011 - ND Soft Stadium, Yamagata - Público: 6.587
53' Okubo
83' Ito


Kashima Antlers 2x0 Júbilo Iwata
18/06/2011 - Kashima Soccer Stadium, Kashima - Público: 11.830
6' Koroki
64' Tashiro


Kawasaki Frontale 2x0 Sanfrecce Hiroshima
18/06/2011 - Todoroki Stadium, Kawasaki - Público: 13.605
35' Yajima
58' Kikuchi


Albirex Niigata 1x1 Vegalta Sendai
18/06/2011 - Tohoku Denryoku Big Swan Stadium, Niigata - Público: 23.602
72' Mikado [1x0]
90'+5 Sugai [1x1]


Nagoya Grampus 2x2 Omiya Ardija
18/06/2011 - Mizuho Athletic Stadium, Nagoya - Público: 8.345
45'+1 Isomura [1x0]
52' Kennedy [2x0]
67' Aoki [2x1]
90'+3 Aoki [2x2]


Avispa Fukuoka 0x2 Kashiwa Reysol
18/06/2011 - Level-5 Stadium, Fukuoka - Público: 6.087
39' J. Tanaka
90' Hyodo

Pos. Time Pontos  J   V   E   D   GP   GC   SG 
Kashiwa Reysol 25  11   8   1   2   20   7   13
Vegalta Sendai 21  11   5  6  0   14   9   5
Kawasaki Frontale 20  11   6  2  3   21   13   8
Sanfrecce Hiroshima 19  11   5  4  2   13   9   4
Yokohama F. Marinos 18  11   5  3  3   19   12   7
Júbilo Iwata 16  11   4  4  3   17   10   7
Nagoya Grampus 16  10   4  4  2   17   12   5
Gamba Osaka 16  9   5  1  3   17   17   0
Shimizu S-Pulse 16  11   4  4  3   15   16   -1
10º Vissel Kobe 15  11   4  3  4   10   10   0
11º Omiya Ardija 14  11   3  5  3   12   18   -6
12º Cerezo Osaka 11  10   2  5  3   12   10   2
13º Kashima Antlers 11  9   3  2  4   14   15   -1
14º Ventforet Kofu 11  11   2  5  4   11   16   -5
15º Albirex Niigata 11  11   2  5  4   9   14   -5
16º Urawa Red Diamonds 8  11   1  5  5   11   16   -5
17º Montedio Yamagata 8  11   2  2  7   8   17   -9
18º Avispa Fukuoka 1  11   0  1  10   8   27   -19

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Kashiwa Reysol 0x3 Júbilo Iwata: Líder é surpreendido em casa

Kanazono (17), Gilsinho (8) e Maeda comemoram / Foto: Ryota Yoshizawa

O Kashiwa Reysol, campeão da segunda divisão em 2010, começou esta temporada da mesma forma que terminou a anterior: vencendo, liderando o campeonato e também com o melhor ataque e a melhor defesa até o início desta rodada. É verdade que a maior parte dos seus jogos foi contra adversários medianos, fracos ou em má fase, mas a boa vitória por 2x0 contra o Yokohama Marinos fora de casa na última partida mostrou que o time do tecnico Nelsinho Baptista tem força pra brigar com os grandes também. Porém, o verdadeiro teste pra eles começa agora que a J-League entra numa sequência de dois jogos por semana e adversários mais duros estão pela frente. E o resultado de hoje foi preocupante para o torcedor.

O Júbilo é outro time que vem surpreendendo este ano. Em 2010, apesar do título da Copa Nabisco, a campanha na J-League não foi das melhores, com um modesto 11º lugar. Para esta temporada, o time pouco se reforçou e parecia ainda pior que no último ano. Mas graças à boa atuação de seus novos talentos combinado com a experiência dos veteranos, o time está brigando na parte de cima da tabela. Depois de perder para o atual campeão Nagoya Grampus (que finalmente está acordando para o campeonato) com um gol nos últimos minutos, o Júbilo foi até Kashiwa e surpreendeu o líder Reysol com uma vitória incontestável.

A formação inicial das equipes

Os dois times jogam no 4-4-2 e vieram desfalcados de jogadores importantes que estão na seleção olímpica: pelo Kashiwa, o lateral direito Hiroki Sakai; pelo Júbilo, o meia Kosuke Yamamoto e o atacante Ryohei Yamazaki.

Os visitantes abriram o placar numa falha de Murakami, justamente o lateral que substituía Sakai. Komano cruzou pelo lado direito do ataque, Murakami errou o tempo de bola e deixou ela passar na sua frente; Kanazono - mais um jovem atacante, de 22 anos, que vem impressionando nas poucas chances que teve até agora - foi mais esperto e aproveitou para dominar e chutar cruzado de perna esquerda, sem chances para o goleiro: 1x0. No final do primeiro tempo, o Júbilo ampliou em mais uma falha da defesa; Komano de novo cruzou pela direita e Maeda apareceu livre na pequena área: 2x0.

No segundo tempo, o placar foi definido numa jogada que começou com o goleiro Kawaguchi. Ele saiu jogando com o lateral esquerdo, Park Joo-Ho, que foi avançando sem marcação até a entrada da área e deixou Maeda mais uma vez na cara do gol: 3x0. Se na seleção ele é contestado, a nível de J-League o atacante, que foi artilheiro em 2009 e 2010, não deixa a desejar: foi o sexto gol dele na liga, três a menos que o artilheiro Adriano, do Gamba Osaka, que tem 9. Méritos de Maeda nos dois gols que marcou, no primeiro por ter sido rápido para se desmarcar e correr na direção da primeira trave, recebendo o cruzamento livre na pequena área; no segundo, por ter corrido mais que o defensor adversário pra receber o passe perfeito na cara do gol. Sem dúvidas um dos melhores atacantes da J-League, mas que na seleção deixa a desejar.

Apesar da derrota, o Kashiwa ainda é o líder e tem tudo para se manter na frente, pois o próximo adversário é o lanterna Avispa Fukuoka, que conseguiu contra o Vissel Kobe o seu primeiro ponto depois de nove derrotas seguidas. Depois começa a prova de fogo: Gamba, Kofu, Cerezo, Vegalta, Hiroshima, Kawasaki, Kashima... É hora do time mostrar se vai brigar pelo título ou começar a cair na tabela. O Júbilo subiu para a 6ª posição e se prepara para uma partida difícil no fim de semana, fora de casa, contra o Kashima Antlers.

Confira os resultados da 15ª rodada:

Vegalta Sendai 2x1 Gamba Osaka
15/06/2011 - Yurtec Stadium, Sendai - Público: 14.519
53' Sugai [1x0]
65' Adriano [1x1]
86' Akamine [2x1]

Kashima Antlers 0x1 Ventforet Kofu
15/06/2011 - Kashima Soccer Stadium, Kashima - Público: 7.810
90'+2 Havenaar

Omiya Ardija 0x5 Kawasaki Frontale
15/06/2011 - NACK 5 Stadium, Saitama - Público: 7.003
41' Tasaka
44' Igawa
64' Kobayashi
71' Yajima
78' Yamase

Kashiwa Reysol 0x3 Júbilo Iwata
15/06/2011 - Hitachi Kashiwa Soccer Stadium, Kashiwa - Público: 7.803
20' Kanazono
45' Maeda
59' Maeda

Shimizu S-Pulse 2x1 Montedio Yamagata
15/06/2011 - Outsourcing Stadium Nihondaira, Shizuoka - Público: 10.745
68' Takahara [1x0]
88' Okubo [1x1]
90'+4 A. Brosque [2x1]

Nagoya Grampus 4x0 Albirex Niigata
15/06/2011 - Mizuho Athletic Stadium, Nagoya - Público: 6.793
28' Tamada
37' Kennedy
83' Kennedy
90'+3 H. Tanaka

Cerezo Osaka 0x1 Yokohama Marinos
15/06/2011 - Kincho Stadium, Osaka - Público: 9.098
81' Kim Kun-Hoan

Vissel Kobe 0x0 Avispa Fukuoka
15/06/2011 - Home's Stadium, Kobe - Público: 6.151

Sanfrecce Hiroshima 0x0 Urawa Reds
15/06/2011 - Hiroshima Big Arc, Hiroshima - Público: 13.707

Pos. Time Pontos  J   V   E   D   GP   GC   SG 
Kashiwa Reysol 22  10   7   1   2   18   7   11
Vegalta Sendai 20  10   5  5  0   13   8   5
Sanfrecce Hiroshima 19  10   5  4  1   13   7   6
Yokohama F. Marinos 18  10   5  3  2   18   10   8
Kawasaki Frontale 17  10   5  2  3   19   13   6
Júbilo Iwata 16  10   4  4  2   17   8   9
Nagoya Grampus 15  9   4  3  2   15   10   5
Vissel Kobe 15  10   4  3  3   10   8   2
Gamba Osaka 13  8   4  1  3   15   16   -1
10º Shimizu S-Pulse 13  10   3  4  3   12   15   -3
11º Omiya Ardija 13  10   3  4  3   10   16   -6
12º Ventforet Kofu 11  10   2  5  3   11   14   -3
13º Albirex Niigata 10  10   2  4  4   8   13   -5
14º Cerezo Osaka 8  9   1  5  3   10   10   0
15º Kashima Antlers 8  8   2  2  4   12   15   -3
16º Urawa Red Diamonds 8  10   1  5  4   10   13   -3
17º Montedio Yamagata 5  10   1  2  7   6   17   -11
18º Avispa Fukuoka 1  10   0  1  9   8   25   -17

sábado, 11 de junho de 2011

Omiya Ardija 2x2 Urawa Reds: Tudo igual no derby de Saitama

Genki Haraguchi foi mais uma vez o nome do jogo / Foto: Osato Naoya

Pela 14ª rodada da J-League 2011, o Omiya Ardija recebeu o vizinho e rival Urawa Red Diamonds para o chamado "derby de Saitama". Os Esquilos vinham confiantes para o clássico, depois da suada vitória por 1x0 contra o Cerezo Osaka na última rodada, enquanto os Reds davam sinal de melhora depois de um péssimo início de temporada. Essa partida geralmente acontece no Saitama Stadium 2002, estádio da Copa do Mundo onde o Urawa coloca até 40.000 torcedores por jogo, mas o Omiya decidiu jogar no pequeno Nack 5, que tem apenas 15.300 lugares, devido a um escândalo revelado após esse mesmo confronto ano passado onde dirigentes do Ardija declararam um público pagante maior que o real. Para mostrar que o incidente é coisa do passado, o novo presidente do clube decidiu não mandar o jogo no Saitama Stadium.

As duas equipes num 4-4-2 tradicional

O Urawa veio com exatamente a mesma formação que venceu o Montedio Yamagata no jogo de ida da Nabisco Cup na última semana, apesar de que foi com essa mesma formação e esses mesmos jogadores que o time tinha feito um péssimo primeiro tempo e só jogou bem de verdade depois das alterações na segunda etapa. Não dá pra entender por que o técnico Zeljko Petrovic insiste em escalar a mesma equipe que joga mal para apenas no segundo tempo fazer alguma mudança e tentar melhorar.

No Omiya, o sul-coreano Lee Chun-Soo voltou de suspensão para fazer a dupla de ataque com Rafael. O atacante brasileiro de 1,90 m já havia marcado nas duas últimas partidas e vinha de bem com a torcida. Desde o início ele foi a principal arma do Ardija, assustando tanto no jogo aéreo quanto chutando de fora da área. E foi com ele que saiu o primeiro gol: aos 37 minutos, o lateral Watabe cruzou pelo lado direito; a bola veio baixa, no meio da área, mas Rafael se antecipou ao zagueiro, mergulhou e cabeceou no canto pra fazer 1x0.

No Urawa, o único que se destacava e tentava uma jogada diferente era Haraguchi, enquanto Edmilson perdeu um gol incrível: o atacante brasileiro recebeu um cruzamento na pequena área, livre, na frente do gol, mas cabeceou tão mal que a bola foi na direção da linha lateral.

No início do segundo tempo, Ueda cobrou escanteio e o zagueiro Fukaya apareceu livre na pequena área para fazer de cabeça: 2x0. Porém, a torcida do Omiya mal teve tempo de comemorar: Dois minutos depois, Marcio Richardes foi derrubado na área e o árbitro marcou pênalti. Edmilson foi bem desta vez, chutou no cantinho e diminuiu: 2x1.

O jogo ficou aberto, com os dois times buscando o gol: Edmilson chegou a acertar um chute na trave. Quando Mazola entrou no lugar de Kashiwagi, mais uma cena inusitada: depois que o Urawa colocou a bola em jogo, o técnico voltou atrás e resolvou mudar a substituição, tirando Keita Suzuki ao invés de Kashiwagi. O camisa 8, que já estava sem camisa e tomando água fora de campo, teve que vestir o uniforme e voltar.

Aos 33 minutos, Haraguchi recebeu passe de Ugajin, invadiu a área pela esquerda e, mesmo pressionado por dois zagueiros, conseguiu passar por eles e chutar depois de cair no chão. A bola acabou pegando o goleiro desprevinido e entrou no canto, um golaço do atacante de 20 anos que também vem jogando bem na seleção olímpica. Apesar disso, foi o Omiya quem pressionou mais no final e por pouco não fez o terceiro - o chute de Chun-Soo parou na trave.

Apesar do frustrante empate para os Esquilos, que continuam sem vencer dentro de casa, o time ao menos manteve a 9ª posição na tabela, o que não é de todo ruim para as modestas pretensões do time que nunca terminou o ano acima da 12ª posição. Já o Urawa tem mais motivos pra se preocupar: o quarto empate seguido fez os Reds voltarem para a zona de rebaixamento. Além disso, eles terão que se virar sem seu grande (e único) destaque pelos próximos dois jogos (Hiroshima fora e Shimizu em casa), enquanto Haraguchi defende a seleção olímpica.


Confira os resultados da 14ª rodada, que só teve vitória de visitantes:

Albirex Niigata 0x1 Sanfrecce Hiroshima
11/06/2011 - Tohoku Denryoku Big Swan Stadium, Niigata - Público: 22.196
89' Sato

Yokohama Marinos 0x2 Kashiwa Reysol
11/06/2011 - Nissan Stadium, Yokohama - Público: 17.597
26' J. Tanaka
37' Kitajima

Júbilo Iwata 0x1 Nagoya Grampus
11/06/2011 - Yamaha Stadium, Iwata - Público: 12.067
89' Tamada

Avispa Fukuoka 0x3 Cerezo Osaka
11/06/2011 - Level-5 Stadium, Fukuoka - Público: 6.202
9' Rodrigo Pimpão
44' Kurata
75' Kiyotake

Montedio Yamagata 0x2 Kashima Antlers
11/06/2011 - ND Soft Stadium, Yamagata - Público: 11.012
35' Koroki
40' Iwamasa

Kawasaki Frontale 2x2 Ventforet Kofu
11/06/2011 - Todoroki Stadium, Kawasaki - Público: 13.111
34' Kobayashi [1x0]
40' Abe [1x1]
49' Yamase [2x1]
54' Havenaar [2x2]

Vissel Kobe 1x1 Vegalta Sendai
11/06/2011 - Home's Stadium, Kobe - Público: 13.034
21' Akamine [1x0]
89' Mogi [1x1]

Omiya Ardija 2x2 Urawa Reds
11/06/2011 - NACK 5 Stadium, Saitama - Público: 12.221
37' Rafael [1x0]
53' Fukaya [2x0]
56' Edmilson [2x1]
78' Haraguchi [2x2]

Gamba Osaka 2x2 Shimizu S-Pulse
11/06/2011 - Expo '70 Stadium, Osaka - Público: 16.315
15' Adriano [1x0]
47' Ota [1x1]
50' Omae [1x2]
57' Usami [2x2]

Pos. Time Pontos  J   V   E   D   GP   GC   SG 
Kashiwa Reysol 22  9   7   1   1   18   4   14
Sanfrecce Hiroshima 18  9   5  3  1   13   7   6
Vegalta Sendai 17  9   4  5  0   11   7   4
Yokohama F. Marinos 15  9   4  3  2   17   10   7
Vissel Kobe 14  9   4  2  3   10   8   2
Kawasaki Frontale 14  9   4  2  3   14   13   1
Júbilo Iwata 13  9   3  4  2   14   8   6
Gamba Osaka 13  7   4  1  2   14   14   0
Omiya Ardija 13  9   3  4  2   10   11   -1
10º Nagoya Grampus 12  8   3  3  2   11   10   1
11º Albirex Niigata 10  9   2  4  3   8   9   -1
12º Shimizu S-Pulse 10  9   2  4  3   10   14   -4
13º Cerezo Osaka 8  8   1  5  2   10   9   1
14º Kashima Antlers 8  7   2  2  3   12   14   -2
15º Ventforet Kofu 8  9   1  5  3   10   14   -4
16º Urawa Red Diamonds 7  9   1  4  4   10   13   -3
17º Montedio Yamagata 5  9   1  2  6   5   15   -10
18º Avispa Fukuoka 0  9   0  0  9   8   25   -17

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Brasil 1x0 Romênia: Vitória magra na despedida de Ronaldo

O adeus de Ronaldo / AFP

No último amistoso antes da Copa América, disputado na noite de ontem no Pacaembu, o Brasil mais uma vez mostrou um futebol chato, não convenceu e foi vaiado pela torcida. E não dá nem pra falar que foi contra um adversário forte. A Romênia com força total já é um time apenas modesto. O que dizer de uma seleção apenas com jogadores locais? Com exceção do capitão Ciprian Marica, atacante do Stuttgart, a seleção era composta só por jogadores que atuam no Campeonato Romeno, além de contar apenas com um técnico interino.

A formação inicial das equipes

O Brasil até que começou bem, pressionando e criando chances. Aos 21 minutos, a defesa romena não cortou um cruzamento de Maicon, Jadson recebeu na entrada da área e deixou Neymar na cara do gol. Com o goleiro em cima, ele driblou para a linha de fundo e cruzou na pequena área para Fred, que só concluiu para o gol vazio: 1x0. O atacante do Fluminense, que garantiu sua vaga no grupo da Copa América, saiu aos 30 minutos para a entrada do Fenômeno, que ficou em campo até o final do primeiro tempo.

Antes da partida, era discutido se esses 15 minutos com um Ronaldo fora de forma em campo poderiam atrapalhar a seleção. Aconteceu o contrário; foi justamente durante esse tempo que o Brasil jogou melhor e criou mais chances. A tática era simples: levar a bola pra área e passar pro Ronaldo concluir. Com duas assistências de Neymar e uma de Robinho, o Fenômeno teve três grandes chances de marcar. Em uma ele pegou muito mal e mandou pra longe, enquanto nas outras duas o goleiro Tatarusanu fez grandes defesas. Infelizmente Ronaldo não marcou, mas o pouco tempo que ficou em campo foi o ponto alto da partida.

No segundo tempo, Ronaldo não estava mais lá; o bom futebol brasileiro também não. Apesar do domínio, os erros na hora de concluir as jogadas deixaram os torcedores frustrados. Em certo ponto, o estádio começou a gritar "Olé!" quando a Romênia tocava a bola no campo de defesa. Em toda a partida, os romenos só tiveram duas chances em chutes de fora da área, uma com Muresan, que acertou o travessão, e outra com Torje, que Victor defendeu.

Ao fim do jogo, a seleção saiu de campo sob vaias. A Copa América na Argentina é a próxima parada, e Ganso pode estar de volta no primeiro jogo (contra a Venezuela, dia 3 de julho) se confirmar a sua recuperação. Será que ele vai corresponder às (enormes) expectativas que estão colocando nele?

terça-feira, 7 de junho de 2011

Japão 0x0 República Tcheca: Os três participantes dividem o título da Copa Kirin

Petr Cech garantiu o zero no placar / Foto: Ryota Yoshizawa

Um torneio curto com três participantes, onde cada um joga duas vezes. Se todos os jogos terminarem empatados com o mesmo placar, quem seria o campeão? Pois é, foi o que aconteceu na Copa Kirin 2011. O Japão empatou com o Peru em 0x0 na estreia. Em seguida os peruanos ficaram em mais um empate sem gols, agora contra os tchecos. Na última partida, disputada hoje em Yokohama, mais um 0x0, agora entre Japão e República Tcheca. Com todos os times empatados em todos os critérios, o título do torneio amistoso acabou dividido entre os três participantes. Resta saber se a taça vai ser dividida entre eles (!) ou se cada um leva uma réplica para casa.

Japão no 3-4-3 e República Tcheca no 4-4-2

Zaccheroni manteve o esquema da última partida, mas desta vez resolveu testar seu 3-4-3 com força máxima. A República Tcheca, assim como o Peru, veio para a Copa Kirin sem vários jogadores importantes, como Baros, Rosicky e Plasil.

Num primeiro tempo de poucas emoções, quem mais brilhou foi o goleiro tcheco, Petr Cech. Primeiro num tiro de meta que ele bateu; a bola quicou na frente da área e Konno não afastou, Inoha tentou tirar e errou a cabeçada, depois tentou dar um chutão e errou mais uma vez, além de colidir com Kawashima. Mas o goleiro estava esperto e segurou a bola antes que chegasse um atacante adversário. Cech também fez uma boa defesa numa cobrança de falta de Endo.

No segundo tempo, Yoshida teve a melhor chance depois que Honda cruzou, Lee dominou e jogou a bola na pequena área; livre e sem goleiro, o zagueiro não conseguiu cabecear pro gol, pareceu que foi a bola que bateu na cabeça dele e foi pra fora. Ienaga e Makino entraram no lugar de Endo e Inoha, respectivamente, mas não mudou muita coisa. Os tchecos praticamente não assustaram no ataque e a partida seguiu sem maiores chances de gol até o final.

Foi um empate onde as defesas venceram os ataques; o Japão foi melhor durante todo o jogo mas também não fez por merecer a vitória. Apesar de uma boa consistência defensiva, o teste com o 3-4-3 não teve um resultado satisfatório: em duas partidas, quase nada foi criado ofensivamente. Não que seja um esquema ruim ou ultrapassado, o Napoli da última temporada mostrou como a formação pode ser eficiente. Porém, o pouco tempo que uma seleção tem para treinar dificulta a adaptação dos jogadores, que também não usam essa formação em seus clubes. Zaccheroni já deu sinais que deve voltar para o 4-2-3-1. Os Samurais Azuis ainda têm mais um amistoso (Coreia do Sul, em agosto) antes do início das Eliminatórias.